16 de fevereiro de 2011

Mera coincidência

“Era uma vez um lugar onde vivia um homem que sabia fazer muitas coisas, e por isso acumulou muitas posses. Este homem era chamado de PODEROSO. Viviam também neste lugar outras pessoas, mas havia um que para esta estória era especial. Seu nome era INCAPAZ. Ele era sapateiro, mas estava sem trabalho, e precisava dar comida aos seus quatro filhos. Foi então que teve a idéia de pedir dinheiro emprestado à PODEROSO, que sem pestanejar tirou do bolso três moedas e entregou a INCAPAZ. Passou-se algum tempo, e INCAPAZ não conseguia trabalho porque ficava horas sentado em sua oficina esperando alguém trazer um sapato para ele consertar. Seus filhos estavam com fome, e ele não viu saída a não ser pedir mais dinheiro á PODEROSO. Novamente PODEROSO esticou o braço dando a INCAPAZ mais quatro moedas. Algumas outras pessoas também precisavam de dinheiro, e lá iam pedir á PODEROSO, já que viram que INCAPAZ pedia e ele não recusava. E a cada dia que passava, PODEROSO ia emprestando mais e mais dinheiro ao povoado. E um dia percebera que emprestara dinheiro a todos os chefes de família que lá viviam, e por isso detinha todos em suas mãos. Achou que deveria ser o rei. E, se autoproclamou o rei daquele povoado e ninguém discordou porque temiam que ele não emprestasse mais dinheiro à eles. Diante da situação PODEROSO começou a gabar-se sem medo algum da reação do povo. Afinal de contas, ele era o PODEROSO e podia tudo! Mas um dia um homem chamado ESFORÇADO se deu conta de que não precisava pedir dinheiro á PODEROSO, o rei, se trabalhasse um pouquinho mais. E assim o fez. Conseguiu com um pouco de sacrifício não só pagar o que devia ao rei mas fazer algumas economias para ir embora daquele povoado dominado por PODEROSO, que por ter muitas posses mandava e desmandava a gosto. E algum tempo depois ESFORÇADO juntou sua mula, seus dois filhos e sua mulher, e no lombo de seu animal juntou suas poucas coisas e se foi, feliz, em busca de um novo lugar onde pudesse viver em paz. E algumas famílias presenciaram a sua partida, boquiabertos com a atitude de ESFORÇADO. Pensaram que também poderiam, com esforço, conseguirem se libertar de PODEROSO. E trabalharam. E aos poucos os habitantes daquele pequeno e cada vez mais vazio povoado partiam, com suas dívidas pagas, até que restaram apenas PODEROSO E INCAPAZ. “Como posso ser rei de um só homem, sua esposa e seus filhos?”, perguntava-se PODEROSO, sentado sobre todas as suas moedas de ouro. “Preciso fazer com que pelo menos este homem continue sendo meu súdito, pois se até ele se for, perderei meu reinado”, pensava PODEROSO, bolando uma maneira para que INCAPAZ não partisse como os outros. PODEROSO era um homem muito inteligente, sabia muitos ofícios que aprendeu de seu pai, que ficou rico e ensinou tudo o que sabia ao filho. Por outro lado, INCAPAZ não tinha mais como conseguir trabalho, não só porque não sabia fazer nada a não ser consertar sapatos e não havia mais ninguém para ter sapatos a remendar a não ser de sua família, como também não tinha vontade em aprender coisas novas. Mas algum tempo depois uma grande praga avassalou sua família, matando a todos os seus filhos e sua linda esposa. INCAPAZ estava só e triste. Foi procurar o rei, em busca de consolo. “PODEROSO, tu que és meu rei, consola-me! Minha família morreu, e agora estou só neste mundo!” Sem pensar duas vezes PODEROSO respondeu: “você não estás sós, pois enquanto eu existir ao teu lado, enquanto tu dependeres de mim também dependerei de vós, porque sem a sua presença não serei nem rei, nem rico, porque só sou rico porque tu és mais pobre que eu!” Qualquer semelhança será mera coincidência.

2 comentários:

  1. Não preciso me identificar para vc saber quem sou, basta eu falar "Minha Vida" que vc vai saber quem é. Fico feliz que mesmo depois de tudo o que fizeram vc tenha feito outro blog. Bjussssssssss....

    ResponderExcluir
  2. muito bom, adorei Zé!

    ResponderExcluir