31 de dezembro de 2011

Feliz Ano Novo

As cortinas se fecham, mais uma etapa concluída! Mais um ano que se passou! Que você tenha conseguido tudo de bom que Deus lhe ofereceu nesse ano que termina. Desejo na paz de Deus que você possa sempre encontrar o seu caminho e que este caminho seja trilhado com muita fé, para que cada vez mais você possa acreditar nesse sentimento capaz de transpor todos os obstáculos e ser feliz. Coragem para vencer os desafios, perseverança para que jamais desista ou desanime dos seus sonhos e que eles sejam “prá sempre e sem volta”. Que você renove as esperanças para que a cada novo dia possa buscar os seus ideais. Que as mãos de Deus guiem sua vida para que essa transporte muita paz, harmonia, saúde e alegria hoje, amanhã e sempre.               FELIZ 2012!

30 de dezembro de 2011

Pedido do "Carlinhos" na virada do ano

Querido Papai do Céu, sou eu novamente, o Carlos, tá lembrado de mim? No final do ano passado liguei para o senhor prá fazer o meu pedido de ano novo e o senhor desligou o celular na minha cara. Não reclamei porque percebi que a operadora “Oi” é uma zona aqui em João Monlevade. Os únicos que não reclamam da “Oi” aqui na nossa cidade são os vereadores. Também pudera, eles não pagam nada pela ligação, pois a conta é sempre paga com o dinheiro do povo. Isso mesmo, o Pastor Carlinhos, que o senhor deve conhecer muito bem, principalmente depois da briga com o seu “Filho crucificado” é quem autoriza o débito dos vereadores na conta do povo. Eu acho isso uma vergonha, mas não quero me meter nisso, até porque, em 2013 pretendo voltar a ocupar a minha antiga cadeira e não quero confusão com nenhum deles. Mas não é isso que eu queria falar. Na verdade, quero te pedir um presentinho de Ano Novo. Sabe aquela maluquice da tal “Ficha Limpa” que pretendem votar no início do próximo ano? Pois é, Papai do Céu, o senhor precisa impedir isso, caso contrário vou estar fudido. Desculpe o palavrão, mas é isso mesmo: se a lei for aprovada vou estar literalmente fu-di-do! Recentemente fui ao terreiro de macumba do pai do vereador Zezinho Despachante e o que ouvi não foi muito animador. Me falaram que além de não poder participar da eleição para prefeito, eu ainda corria o risco de ir para a cadeia. Conversei sobre o assunto com o também vereador Sinval Jacinto e ele me alertou sobre os fatos. Segundo o Sinval, as entidades do terreiro do pai do Zezinho podem ter mentido, pois, caso eu não participe das eleições, o Zezinho entraria na fita. O senhor acredita nisso? Lá no terreiro também me disseram que o meu patrão, o Mauri Torres, não mexeu uma palha prá limpar a minha barra. Êta sujeitinho excomungado e ordinário! Também confiei no “Marcinho”, mas depois que ele chamou o Papai Noel de velho barrigudo e viado, perdi a fé nele e naquele jornaleco. Não sei mais a quem recorrer, por isso estou te implorando para não deixar aquela currutela votar a tal Ficha Limpa. Por favor, me ajude Papai do Céu. Se o senhor me ajudar eu prometo devolver aquela grana que tomei “emprestada” dos cofres públicos. Aquela grana que o maldito Cangussu me mandou devolver. Também prometo não doar área pública á nenhum filho da puta. Me desculpe novamente o palavrão, mas é que estou desesperado. Só de pensar em ficar fora das benesses patrocinadas com o dinheiro do povo por mais quatro anos, eu me desespero. Quero te prometer mais uma coisa: alô, alô, alô, Papai do Céu, o senhor está me ouvindo. Que pôrra, a ligação caiu novamente!

29 de dezembro de 2011

Antídoto contra a roubalheira

O Congresso interrompeu o tradicional e merecido recesso de fim de ano para uma cerimônia de posse fora de época. Após embolada decisão no Supremo Tribunal Federal, foi confirmada a condução ao cargo de um senador que questionou a Lei da Ficha Limpa. Em linhas gerais, contestou-se sua vigência para eleições passadas. Sob a ótica constitucional, mas não sem debates bastante acalorados, deu-se a razão ao dito parlamentar. É irrelevante levantar detalhes relativos àquele senador e julgar se a sua posse é merecida. A discussão primordial, que agora está na Corte máxima de nossa Justiça, é a aplicação total da Lei da Ficha Limpa. O STF promete pronunciar-se no início do ano que vem, garantindo tomar decisão a tempo do pleito municipal de outubro. Aplaude-se com veemência a iniciativa de barrar todo candidato com qualquer mancha em seu currículo. É bom lembrar que não há garantia alguma de que um malfeitor que tenha “distribuído imóvel público em troca de marketing”, que tenha “promovido festa de confraternização entre amigos com dinheiro público”, ou que tenha “patrocinado festinha para parentes com dinheiro do povo” seja impedido de tomar posse numa prefeitura. É importante, porém, entender que o antídoto contra a roubalheira seja aplicado na raiz, de modo inconteste, para que o cargo público fique livre de bandidos. Cabe á sociedade cobrar e vigiar para que isso aconteça.

28 de dezembro de 2011

De compadre para compadre

Mais uma vez o ex-assessor de Comunicação Social da Prefeitura Municipal de João Monlevade, Emerson Duarte(na foto carregando o prefeito) mostrou que continua mais forte que nunca no governo do Prefeito Gustavo Prandini, PV. Duarte venceu a queda de braço com a igreja católica e conseguiu fazer o seu sucessor. Nos bastidores o nome de Sérgio Henrique já é tido como certo para ocupar a sala e a cadeira do ex-assessor. Mesmo ainda não tendo oficializado a nomeação, o prefeito Gustavo Prandini já teria se reunido com o indicado do Emerson Duarte para comunicar a sua escolha. Formado em Enfermagem, o novo assessor já trabalha na assessoria de Comunicação do governo Prandini. Tão logo se formou no curso de Enfermagem, Sérgio Henrique teria sido convidado pela secretária Municipal de Saúde, Polyana Prandini, irmã do prefeito, para assumir um cargo de chefia naquela secretaria, porém, o prefeito não concordou com a transferência do mesmo e o manteve na comunicação sob a promessa de “melhorar” o seu salário. Tão logo decidiu se “afastar” do governo, Emerson Duarte indicou o compadre para cargo. Correndo por fora, o jornalista Guilherme Assis, que também trabalha na assessoria de comunicação contou com o apoio de uma ala da igreja católica, de sindicalistas, de vereadores e até de políticos influentes amigos do prefeito Prandini, mas acabou sendo preterido pelo pevista. Cácio Duarte Guerra, advogado, contador e amigo do Gustavo Prandini chegou a telefonar para o prefeito indicando Guilherme Assis para o cargo. De acordo com boatos que circulam dentro e fora da prefeitura, Emerson Duarte, mesmo “afastado” é quem vai continuar dando as cartas e comandando a assessoria de Comunicação da Prefeitura de João Monlevade.

27 de dezembro de 2011

Na Boca do Povo

Apesar da fábrica de boatos instalada em João Monlevade garantir que o Zé Geraldo do Espinhaço “rodou”, venho a público informar aos menos avisados que o Programa Na Boca do Povo, exibido diariamente de 11 ás 13 horas, pela Rádio Comunicativa-FM, estará de volta na próxima segunda-feira, dia 02 de janeiro de 2012. Para acompanhamento de tratamento de saúde de um familiar, tive que me ausentar por esse período, mas já estou de volta com a carga toda, ou melhor, com a língua mais afiada que antes. Á partir do dia 02, vamos fazer um programa totalmente diferente, com participação do ouvinte e vários brindes, inclusive um “belíssimo caixão” feito com madeira de Lei. Por se tratar de ano eleitoral, não vamos poupar ninguém, principalmente aqueles que sempre usaram o povo como massa de manobra. Vamos falar da “Corja”; do prefeito Gustavo Prandini; da Câmara de Vereadores e também do substituto do Emerson Duarte, que, aliás, já foi escolhido pelo Chefe do Executivo Municipal. O programa Na Boca do Povo será todo remodelado, vale a pena conferir. E se você, não quer virar notícia, não deixe que o fato aconteça porque, se não, você tá no pau da goiaba!
*Notícia Extra: Segundo fontes ligadas ao governo, o prefeito Gustavo Prandini, PV acaba de escolher o nome que irá substituir o assessor de Comunicação Social da Prefeitura de João Monlevade. Ainda segundo a fonte, o novo assessor não é de João Monlevade. Aguarde!!!

26 de dezembro de 2011

Façam suas apostas

Continua guardado á sete chaves o nome do substituto do assessor de Comunicação Social da Prefeitura Municipal de João Monlevade, Emerson Duarte. Se dependesse somente do prefeito Gustavo Prandini, PV, o futuro assessor já estaria comemorando a nova empreitada. A dúvida deverá continuar até o início de janeiro de 2012, uma vez que a pressão em cima do Chefe do Executivo Municipal é cada vez maior.  O padre Jorge já teria indicado o seu candidato. O padre Marcos também. O pastor Carlinhos também já teria sondado o prefeito Gustavo Prandini e até sugerido um correligionário. O líder do governo na câmara, Vanderlei Miranda também teria sugerido o substituto do Emerson. O vereador Robertinho, acredite, também ofereceu um nome para comandar a Comunicação. Esse nome, segundo as más línguas, faz parte do “pacotão” para aprovar o empréstimo dos R$ 5 milhões do BDMG para a prefeitura. Até o Emerson Duarte já indicou seu substituto, que só não emplacou porque a pressão prá cima do prefeito foi grande. Dentro da prefeitura o assunto foi proibido. Ninguém pode especular e ninguém pode perguntar quem vai ocupar a cadeira do Duarte, sob pena de demissão por justa causa. Mas já que você que não trabalha na prefeitura de João Monlevade e vai apostar na Mega Sena da Virada, faça também a sua aposta no nome que irá substituir o Emerson Duarte. São eles: Luiz Cláudio, Luiz Quirino, Sérgio Henrique, Guilherme Assis, Fernando Silva (Itabira), Mariléia Miranda, Jane Figueiredo, Roniária Araújo ou o filho do pastor Carlinhos. Façam suas apostas!

25 de dezembro de 2011

Eu sou assim

Eu nunca trocaria a minha profissão, os meus 161 processos na Justiça as minhas dores de cabeça no final do mês e o meu jeito errado de ser por menos cabelos brancos ou uma barriga mais lisa. Enquanto fui envelhecendo tornei-me mais amável para mim e menos crítico de mim mesmo. Eu me tornei meu próprio amigo, meu cúmplice, meu confidente nas coisas do coração. Não me censuro por falar mal de político e nem por fazer o convencional. Políticos são todos iguais e o convencional sempre acaba virando rotina. Eu me dou o direito de ser como sou sem ter que justificar um ou tantos erros já cometidos e os que ainda vou cometer antes de embarcar para um outro plano. Vi muitos parentes queridos deixar esse mundo muito cedo, antes de compreenderem a grande liberdade que vem com o envelhecimento. Quem vai me censurar se resolvo ficar até as 4 da manhã preparando minhas cobranças dos agentes políticos e dormir até o meio dia? Se por acaso eu resolver dançar ao som daqueles sucessos maravilhosos do Roberto Carlos e se eu, ao mesmo tempo, desejo chorar por um amor perdido, eu vou chorar! Sei que as vezes sou esquecido, mas existem coisas nessa vida que devem ser esquecidas, e muitas vezes não conseguimos esquecê-las. Corações partidos são os que nos dão força, compreensão e compaixão. Um coração que nunca sofreu por amor é imaculado, estéril e nunca conhecerá a alegria de ser imperfeito. Sou abençoado pelo que sou, pelo que faço e pelos meus erros e acertos. Conquistei o direito de ser errado. Sei que não vou viver para sempre, mas enquanto estiver aqui, eu não vou perder o meu tempo lamentando o que poderia ter feito ou me preocupar com o amanhã pois, o amanhã não existe. Certo?

22 de dezembro de 2011

Ser feliz é correr riscos

Feliz é aquele que saboreia quando come, enxerga quando olha, dorme quando deita, compreende quando reflete, aceita-se e aceita a vida como ela realmente é. A felicidade é proporcional ao risco que se corre. Quem se protege contra o sofrimento, protege-se também contra a felicidade. Quem se torna invulnerável, torna sem sentido a existência. O homem feliz aceita depender dos outros, mesmo colocando em risco sua própria felicidade. É a condição do amor e de todas as relações humanas, sem o que, a vida não teria sentido. Ser feliz é sim, correr riscos! *Jean Onimus.

21 de dezembro de 2011

Prandini entre a cruz e a espada

Nos próximos dias, no mais tardar na próxima semana, o Chefe do Executivo Municipal de João Monlevade, Gustavo Prandini, PV, deverá exonerar o atual assessor de Comunicação Social, Emerson Duarte e fazer a nomeação do seu sucessor. Uma tarefa que parecia ser fácil vai se tornando uma verdadeira dor de cabeça para o prefeito pevista. O Emerson Duarte já teria indicado o seu “cumpadre” Sérgio Henrique, recém formado em Enfermagem para ocupar a sua cadeira. Quando tudo parecia caminhar na maior tranqüilidade para que o Duarte consumasse o seu desejo, eis que surge no gabinete do senhor prefeito uma importantíssima correspondência registrada e assinada pelo mais alto clero da igreja católica da região. O teor da correspondência pouca gente tomou conhecimento, mas, sabe-se que o remetente também sugeriu que a tão cobiçada cadeira do Emerson Duarte fosse ocupada pelo jornalista Guilherme Assis, que já trabalha na Comunicação da Prefeitura. Além da tal carta, um telefonema de um político influente de Itabira também teria sugerido o nome do Guilherme Assis como substituto do Duarte, transformando uma simples nomeação por um tremendo abacaxi para o prefeito Gustavo Prandini descascar. Se o prefeito atende a reivindicação do Emerson, o alto clero poderá não gostar. Se ele atende o alto clero, o Emerson Duarte que está deixando o governo para cuidar da campanha de reeleição do pevista poderá ficar “magoado”. Como se vê, a saída do Emerson Duarte além de deixar o prefeito de saia justa, ainda o deixou entre a cruz e a espada.  


20 de dezembro de 2011

Saia Justa

Com o afastamento do assessor Emerson Duarte do governo Prandini, que deverá ser oficializado até a próxima sexta-feira, 23, quando a prefeitura entra em recesso, algumas especulações vem tomando conta  dos bastidores da política local. Muitos apostam que o sucessor de Duarte será o jornalista Guilherme Assis que vem sendo um curinga dentro do governo. Outros, porém, apostam suas fichas no Serginho da Comunicação, no Tadeu, no Ivo José, no Luiz Quirino, no Luiz Cláudio, no Gilson (jornal Celeste) e até no dono do “A Notícia”. Fontes ligadas ao governo garantem que o Chefe do Executivo Municipal já teria no bolso o nome do seu futuro braço direito, porém, algumas reivindicações de pessoas influentes na cidade teriam feito o mandatário voltar atrás e repensar a escolha. Até uma correspondência assinada por lideranças comunitárias e religiosas teria chegado ás mãos do prefeito sugerindo nomes. Um amigo pessoal do Gustavo Prandini, residente em outra cidade, fez questão de telefonar para o Chefe do Executivo Municipal mostrando a importância de “colocar a pessoa certa no lugar certo”. Ainda de acordo com fontes ligadas ao governo, nada menos que oito nomes foram indicados para substituir Emerson Duarte. Desses, alguns têm a simpatia do prefeito, outros nem tanto. Façam as suas apostas.

17 de dezembro de 2011

Resposta do Papai Noel ao Marcinho

Querido Marcinho, fiquei muito triste com a sua cartinha. Jamais imaginei que um garoto da sua idade, tão obediente e tão responsável fosse capaz de acumular tanto rancor e ódio nesse coraçãozinho. Revendo o Livro da Existência, pude constatar que de uns tempos prá cá você mudou completamente a sua trajetória e o seu comportamento nesse mundo de expiação e provas. Quando você foi jogado ao mundo ninguém acreditava que você fosse vingar. Eu sim, sempre acreditei que aquela cabeça pensante acumulava muita sabedoria. Nunca imaginei que seria o contrário. Hoje sei que me enganei! Lembra quando os meninos da escola zombavam de você por causa do tamanho do seu bonezinho? Você brigava, chorava, xingava e chegou a abandonar os estudos. Mesmo não tendo freqüentado os estudos eu acreditava na sua vitória. Sabia que você iria ganha fama, poder e dinheiro. Só não imaginava que prá conseguir tudo isso você fosse capaz de vender até a mãe, até a alma ao diabo! E não me venha com essa de dizer que você amava a sua progenitora, pois sou testemunho das travessuras e malvadezas que você fazia com aquela santa. Não é á toa que todos te chamavam de “Marcinho Malvadeza”. Você reclama que eu não fui benevolente com você, além de não ter atendido os seus pedidos. Vamos lá: você pediu poder e eu te dei poder. Mesmo sendo chamado de forasteiro pelo povo de “Tubiacangas” você ocupou o mais alto cargo daquela pacata cidadezinha do interior, fez fortuna e ocupou o pódio. E o que você fez? Usou o poder para pisar e denegrir a imagens das pessoas. E o pior, tentou cobiçar a mulher do chefe. Que coisa feia Marcinho! Como se isso não bastasse, você manipulou aqueles números e acabou jogando o doutor no buraco. Por certo você não imaginava que eu soubesse dessa malvadeza. Eu sei de tudo Marcinho! Sei de muito mais! Expulso de “Tubiacangas” você retornou para a terra do francês e continuou praticando o mal. Invadiu terrenos, se apossou de imóveis, enganou políticos, manipulou resultados, superfaturou serviços, traiu companheiros e companheiras, cometeu adultério, provocou a discórdia, atacou pessoas inocentes, ameaçou, denegriu, achincalhou e levantou falso testemunho. Apesar de não gostar, vou baixar o nível da mesma forma que você baixou quando me mandou aquela cartinha horrorosa seu moleque analfabeto. Você é um porra louca do mal, seu velho safado e viado! Você me chamou de velho barrigudo viado. Pois saiba que você é um velho barrigudo travesti! Você reclama de ter perdido aquela obra que alega ter construído com o seu suor. Você é um mentiroso e enganador, mas a mim você não consegue mais enganar. Aquela construção sempre pertenceu ao povo pobre e humilde que te acolheu quando você mais precisava. Aquilo nunca foi seu. Aquilo foi conseguido através de safadezas de pessoas da sua laia. De pessoas corruptas como você que já deveriam estar na cadeia. Hoje você já não tem amigos. Os poucos que te rodeiam e puxam esse saco murcho é porque ainda têm medo da sua língua felina. Você não aprendeu um só ensinamento do Pai, por isso, está pagando por todas as mazelas que semeou por onde passou. Sobre o carnê do INSS que deixei de presente prá você, espero que não o adultere, pois, até onde conheço você, sei que é capaz de aprontar qualquer maracutaia para se dar bem. No mais, seu viado velho, um Feliz Natal e um saco cheinho de boas maneiras!  

16 de dezembro de 2011

Férias ou pé na bunda

Ele foi visto pela última vez nas proximidades do Supermercados Bretas com uma fita métrica e um pedaço de asfalto nas mãos. Na ocasião ele usava calça Jens, camisa social branca de mangas compridas e tênis branco meio encardido.  Na zona boêmia onde sempre era visto com um notebook embaixo dos braços, ninguém se arriscou a indicar o seu paradeiro. Na famosa loja de celular do Paraguai, onde era freqüentador assíduo, ele também não foi visto. Na rádio do chefe da “Corja”, ele também não aparece faz tempo. Mas onde diabos esse garoto teria se metido depois daquela traulitada de seis a um que seu time levou? Teria ido prá São Gonçalo do Rio Abaixo, sua terra natal? Pouco provável, pois lá, até onde se sabe, não tem filial da “Tantra”. Teria por acaso o “nobre pintor de rodapé” da mansão do deputado se refugiado na residência da futura herdeira das suas dívidas? Também não! Não esteve na Câmara de Vereadores, nem no Hospital Margarida, nem na nova Delegacia Regional da Polícia Civil, nem na Polícia Militar e nem na prefeitura em busca da sua Cesta de Natal. Um fofoqueiro de plantão afirmou que o “moleque” ficou furioso depois de ter sido preterido pelos patrões no seio do ninho tucano, e teria se demitido. Ainda segundo informações, o “guri” sempre sonhou em ocupar uma cadeira na Câmara Municipal, e já estava se preparando para o desafio quando teve o sonho abortado pela cúpula da “Corja” e resolveu se afastar do convívio político, ou seja, foi retirado de cena! Será???
*Indicação de substituto de assessor deixa governo de saia justa. Aguarde!

15 de dezembro de 2011

Quarteto da Vergonha

Votar projetos é uma das mais elementares tarefas do vereador no cotidiano da Câmara e, por mais que pareça, até para isso tem faltado disposição em parte dos componentes da Casa de Leis de João Monlevade. Quando não se lança mão de uma artimanha de pedir vistas ao projeto, o vereador se acha no direito de simplesmente se “abster” de votar. Afinal de contas, prá que serve o seu representante na Câmara. Entende-se, ou supõe-se que os digníssimos edis são pagos e muito bem pagos para, na medida do possível, criar leis e votar projetos de interesse de sua comunidade. Infelizmente a nossa Câmara Municipal tem trafegado na contra-mão dos interesses do povo monlevadense. Na reunião ordinária da última quarta-feira, 14, o que se viu foi um verdadeiro atentado contra o povo. Num país sério os vereadores Guilherme Silvério, Sinval Jacinto e Zezinho Despachante sairiam do plenário direto para a cadeia sem direito ao pagamento da fiança. Ao votar contra o projeto para asfaltar 30 ruas da cidade, Silvério e Jacinto demonstraram o quanto odeiam o povo que banca seus altos salários e as mordomias. Os tucanos tiveram a cara de pau de argumentar que o acordo firmado entre o município e o BDMG iria endividar a prefeitura e “engessar o próximo prefeito”. Um absurdo e uma falta de caráter desses dois vereadores que sempre legislaram contra seu povo. Pior que Silvério e Jacinto, foi a atitude do vereador Zezinho Despachante que sequer teve a hombridade de manifestar o seu voto. Despachante se acovardou na primeira e segunda votação ao se abster de votar. Ou seja, o Zezinho traiu duas vezes: traiu o povo e traiu os amigos da oposição. Sobre o curinga “Robertinho do DVO”, esse dispensa comentários. Só votou favorável depois de ter sido colocado na parede por parentes, amigos, familiares e correligionários. Isso prá não dizer sobre os boatos de uma suposta “barganha” e “negociata” entre quatro paredes na calada da noite. É lógico que a atual administração Municipal está longe de ser um exemplo, mas não é qualquer prefeito que pode se dar ao luxo de rejeitar um empréstimo com 180 meses para pagar, com 36 meses de carência e até 144 meses de amortização com juros de 4% ao ano. Com essa facilidade toda, até o "Moreirão" que está com os direitos políticos suspensos pela Justiça não hesitaria em colocar a mão no capilé. Certo? 

14 de dezembro de 2011

Rolo Compressor do Asfalto esmaga a Corja

Vitória do povo! Esse é o sentimento que tomou conta dos “monlevadenses de bem” logo após o término da reunião ordinária da Câmara de Vereadores desta última quarta-feira, 14. Com sete votos favoráveis, dois contra e uma abstenção, o projeto de número 674/2011 que autoriza o Executivo Municipal a contrair um empréstimo de R$ 5 milhões junto ao BDMG que serão usados na pavimentação asfáltica de mais 30 ruas e avenidas, finalmente foi aprovado. De nada adiantou os pitacos da diretoria da Corja e nem os ataques histéricos dos corjeanos do terceiro escalão, leia-se Guilherme Silvério e Sinval Jacinto. O bem venceu o mal. O “rolo compressor do asfalto” transformou em pó as pretensões do grupo do Mauri Torres & Carlos Moreira. Durante os últimos dias só se falou na votação do referido projeto. Nem mesmo a grande mídia da Corja conseguiu os objetivos do patrão, que era dificultar a atual administração Gustavo Prandini. Pouco antes do início da reunião o tucano Sinval Jacinto Dias já dava como certa a derrota do governo. Teve que engolir tudo aquilo que vomitou durante a semana. Outro que chegou a comemorar antecipadamente uma possível derrota do governo foi o também tucano Guilherme Silvério. Votaram a favor do povo os seguintes vereadores: Dorinha Machado, Dulcinéia Caldeira, Vanderlei Miranda, Belmar Diniz, Doró da Saúde, Pastor Carlinhos, e Robertinho do DVO. O vereador Zezinho Despachante se absteve de votar. Guilherme Silvério e Sinval Jacinto votaram contra o povo. A grande preocupação dos tucanos é como a prefeitura vai pagar esse empréstimo. “É muito fácil: é só contratar o Guilherme Nasser, alguns idosos e uma fisioterapeuta. Depois passear com os idosos lá pelas bandas da Ricardo Eletro”, ensinou um eleitor monlevadense. Cobertura completa amanhã ás 11 horas no programa “NA BOCA DO POVO”, da Rádio Comunicativa-FM

13 de dezembro de 2011

Ferro no Povo

Como sempre acontece no meio político, mais uma vez o povo monlevadense poderá ser prejudicado pela picuinha e pela falta de vergonha na cara de alguns vereadores. A oposição formada pelo Guilherme Silvério, PSDB; Sinval Jacinto, PSDB; Zezinho Despachante, PP; e Robertinho do DVO, PMN; poderá impedir a pavimentação asfáltica de cerca de 30 ruas da cidade. Amanhã, quarta-feira, o projeto número 674/2012, de autoria do Executivo Municipal deverá ser votado. Para que seja aprovado e o BDMG libere R$ 5 milhões para as obras, serão necessários sete votos. O governo já conta com seis. O temor da oposição é que, com a pavimentação de mais 30 ruas (37 já estão recebendo o asfalto) a popularidade do prefeito Gustavo Prandini cresça e ele receba o aval da comunidade nas eleições do próximo ano quando tentará a reeleição. A hipótese tem tirado o sono da chamada “Corja”, comandada pelo ex-deputado Mauri Torres e pelo ex-prefeito Carlos Moreira. Na visão dos opositores, o empréstimo do BDMG iria aumentar a dívida da prefeitura que, segundo eles, estaria em aproximadamente R$ 20 milhões. Nessa picuinha política toda, o único a levar ferro é o povo, que sem dúvida alguma será o mais prejudicado caso o projeto seja rejeitado pelos vereadores. Mas, para o Guilherme Silvério, para o Sinval, para o Zezinho e para o Robertinho isso não é nenhum problema, pois, o eleitor sempre teve memória curta.

12 de dezembro de 2011

Legítimos Inimigos do Povo

Já no apagar das luzes para o encerramento de mais um ano legislativo, um grupo formado por três vereadores tramam, na calada da noite, mais um golpe contra o povo monlevadense. Com o objetivo único de criar dificuldades para o prefeito Gustavo Prandini, PV, os legítimos representantes do povo Zezinho Despachante; Guilherme Silvério e Sinval Jacinto, liderados pelo ex-prefeito Carlos Moreira, planejam impedir a pavimentação asfáltica de aproximadamente 30 ruas de João Monlevade. Para que o BDMG aprove a verba de R$ 5 milhões para as obras, é necessário que sete dos dez vereadores votem favorável ao projeto enviado á Câmara pelo Executivo Municipal. Curiosamente o discurso da oposição é o mesmo: “não devemos endividar a prefeitura”. Nas duas últimas semanas a Câmara de Vereadores recebeu um número significativo de eleitores que foram pressionar seus representantes no sentido de que aprovem o asfalto. Nas duas ocasiões o projeto foi retirado de pauta, adiando para a próxima quarta-feira a sua votação. Guilherme Silvério; Sinval Jacinto; Zezinho Despachante e até mesmo o Robertinho do DVO poderão entrar para a história de João Monlevade como os legítimos “inimigos do povo”.

10 de dezembro de 2011

Carta ao Papai Noel

Papai Noel, sou eu de novo, o Marcinho! Como você deve se recordar, no Natal passado pedi a você algumas coisinhas básicas, como aquele prédio que eu mesmo construí com meu suor, um pouquinho mais de bufunfa na minha conta bancária e um pouquinho de reconhecimento por tudo que fiz durante o ano todo. Pois bem, quero lhe informar que durante o ano que termina, eu me matei de tanto trabalhar. Meu panfletim foi o “número 1” de toda a região. Aos troncos e barrancos meu panfletim foi também o único que “não cedeu”. Como você já deve saber, meu panfletim continua sendo o primeiro e o único com “selo de qualidade”. Tem mais, fiz tudo que o meu amigo “Carlão” e o “Mau-mau” mandou. Sabe aquele “Contador” de lorotas com cara de bicha velha? Pois bem seu velho nojento abri as páginas do meu “panfletim” diversas vezes para estampar aquela cara de chupa-cabra só para agradar a você! E não pára por ai. Sabe aquele “provedor” com cara de puta-desamparada? Pois é seu velho barrigudo, deixei o dito cujo vomitar bobagens em cima do meu panfletim sem ganhar um vintém sequer! Sabe aquele menino do notebook? Fiz dele um exímio fiscal do asfalto por sua causa. E o que ganhei com isso? Não houve nada, nadica de nada que eu não tivesse feito para atrapalhar a vida daquela “meninada” horrorosa. Menti, distorci, enganei, inventei, fofoquei. Tudo em nome da consideração que eu tinha com você, seu Papai Noel de merda! Mesmo assim, com uma tremenda cara de pau Papai Noel de Bosta, me deixou debaixo da árvore, um carnê do INSS a ser pago e uma aposentadoria que não dá nem para comprar papel higiênico. Que futuro terei, seu barrigudo miserável de uma figa? Comporto-me como um imbecil, como um idiota, como uma marionete o ano inteiro e você me faz uma putaria dessas. E o que é pior, você está conseguindo dar uma mãozinha ao chefe da meninada. Que horror seu velho prostituto! Que humilhação para o grupo “inimigos do padre”. Mas não vou desistir seu viado. No próximo Natal vou arrebentar a sua cara e encher de pedradas as putas das tuas renas, seu velho brocha. Ass: Marcinho

8 de dezembro de 2011

Presidente da Câmara vai continuar no Xilindró

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) manteve preso e afastado da Câmara Municipal de São Gonçalo do Rio Abaixo, Marlon Túlio Pessoa Costa, PPS. Ele é acusado de participar do golpe “Angélica”, por meio do qual os vereadores são-gonçalenses contratavam taxistas, mas não realizariam as viagens. Marlon Túlio foi preso na semana passada por determinação da Justiça de Santa Bárbara porque estaria dificultando as investigações. Seus advogados recorreram ao tribunal de Justiça, porém, um desembargador aceitou os argumentos de primeira instância e manteve Marlon Túlio na prisão, em Barão de Cocais. Também foi mantida a decisão de afastá-lo do cargo por 180 dias, sendo que esse prazo pode ser prorrogado. No pedido de habeas corpus indeferido pelo desembargador, há alegação de que se passou muito tempo entre o decreto de prisão e as investigações. Os advogados alegaram ainda que o afastamento do cargo bastaria para impedir a “alegada manipulação de provas”. O Ministério Público que pediu a prisão de Marlon, alegou haver uma despesa de quase R$ 1 milhão com serviços de táxi para percorrer uma distância de 828,798km, o que equivale a aproximadamente 20 voltas em torno da Terra. Todos os vereadores daquele Legislativo são acusados dos crimes de peculato e de formação de quadrilha. De acordo com informações, o presidente Marlon Túlio estaria “com depressão” e sem se alimentar. “Ele está arrasado! Seu maior desespero é imaginar que poderá passar o Natal e o Ano Novo na cadeia, longe de seus familiares”, disse um informante.

6 de dezembro de 2011

*Corja com Dengue

Desde 2010 o grupo político denominado “Corja”, de João Monlevade luta pela dengue. Isso mesmo: divulgam e propagam os raros casos de dengue que surgiram no município como arma para atingir o governo municipal. No ano passado o alto escalão da “Corja” determinou que seus subalternos usassem toda a mídia que o grupo se dispõe para provocar um alarde social entre a população. Rádios, jornais, sites, blogs e até conversas de pé de ouvido foram usados para criar um clima de insegurança no município. Para o grupo corjeano, “quanto pior melhor”! E não é que o tiro saiu pela culatra! Isso mesmo, usando as mesmas armas do inimigo a administração Municipal bateu pesado contra a dengue e em apenas 12 meses expulsou o Aedes aegypty prá bem longe, ou melhor, lá pras bandas da Corja. Numa reportagem publicada hoje (06/12/2011/) pelo jornal belorizontino HOJE EM DIA, João MONLEVADE foi apontada como exemplo para as demais cidades mineiras no combate á dengue. Diz a reportagem: “Fazer do morador o protagonista nas ações de combate á dengue foi o que levou a cidade de João MONLEVADE, no Vale do Aço, zerar o LirAa (Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti). O município criou o Comitê Popular de Combate á Dengue, que envolve delegados do Orçamento Participativo (OP), conselheiros municipais e lideranças comunitárias. Eles receberam material informativo sobre o combate aos focos do mosquito, além de formulários para notificação de ocorrências detectadas pelos cidadãos. O Índice de Infestação de João MONLEVADE passou de 0,2 em 2010 para ZERO em 2011”, informou a reportagem do HOJE EM DIA. Enquanto isso a “Corja” simplesmente desapareceu do mapa. Devem estar com dengue!
*Corja: apelido carinhoso dado pelo padre Marcos ao grupo político do Mauri Torres e do Carlos Moreira.

4 de dezembro de 2011

Kalil afirma que Galo se vendeu

Após a goleada histórica de 6 x 1 para o Cruzeiro em cima do Galo, o polêmico presidente atleticano, Elias Kalil afirmou nos microfones da Rádio Itatiaia que os jogadores “se venderam” para o time da Toca. “Dá a impressão, e até eu acho, que houve um acerto para entregar o jogo para o Cruzeiro, tamanha a desmobilização e descompromisso dos jogadores. Eu sou o mais envergonhado, não vou sair para a rua, pois tenho vergonha na cara”, afirmou o presidente atleticano. Polêmico em suas colocações, Elias Kalil cancelou o “bicho” de R$ 1 milhão que teria prometido aos jogadores em caso de vitória. “Eu tinha prometido um bicho de 1 milhão de reais, que está sendo cancelado agora. Eu dei o bicho e acabo de tomar. Fomos desmobilizados, fizemos festa durante a semana por termos saído do rebaixamento. O resultado mostrou a vergonha da desmobilização do grupo do Atlético, e com a ciência da diretoria”, esbravejou. Por outro lado, o presidente do Cruzeiro Zezé Perrella ironizou o rival. Ainda no intervalo quando o placar já mostrava  4 x 0 para o time celeste, Perrella cutucou os atleticanos. “Vamos fazer mais dois! Um cliente como o Atlético não iria deixar o Cruzeiro na mão em uma hora dessa”, zombou. Sobre os boatos de que o Galo teria vendido o jogo, Perrella foi enfático. “Se o Galo vendeu, ele não soube vender! Seis é prá humilhar qualquer um”, finalizou. Caso o Galo tivesse vencido a partida, o Cruzeiro estaria rebaixado para a série B do Brasileirão  2012, juntamente com o América Mineiro, Avaí e Ceará.

3 de dezembro de 2011

"Angélica" manda Vereador para o Xilindró

Grampeado e rebocado para o hotel cinco estrelas “Xilindró de Barão” o vereador e presidente da Câmara Municipal de São Gonçalo do Rio Abaixo, Marlon Túlio Pessoa Costa, PPS, é mais um político que não acreditava na Justiça Brasileira. Por isso, hoje ele está saboreando aquela deliciosa comida do mar...mitéx e trocando figurinhas com o indelével caboclo borrachudo. O “nobre” representante do povo foi preso na noite de quinta-feira, durante a reunião da Câmara sob acusação de participação em golpe denominado “Angélica” – uma alusão á música “Vou de Táxi” lançada em 1989 pela cantora e hoje apresentadora Angélica, que teria dando um prejuízo de aproximadamente R$ 2 milhões aos cofres públicos. Marlon e outros oito vereadores estão sendo investigados de comandarem um esquema com serviços de taxi, onde teriam percorrido uma distância de 828,798 km, o que equivale a aproximadamente 20 voltas em torno da terra. Segundo as informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG, o Ministério Público alegou ainda que os vereadores de São Gonçalo do Rio Abaixo usavam verba de gabinete para serviço de táxi e diárias que nem sempre eram necessários, pois, ás vezes, nem compareciam ao local das corridas. Esse recebimento indevido teria causado enriquecimento ilícito e dano ao erário. Para comprovação dos gastos com taxistas e reembolso, todos, exceto um deles, apresentavam recibos genéricos. Constam do processo que as corridas atendiam os mais variados interesses privados, inclusive os de parentes. Segundo os taxistas, em depoimento ao MP, os recibos emitidos eram elaborados na própria Câmara. De posse dos recibos, os vereadores solicitam reembolso, o que era autorizado pelo presidente da Câmara, Marlon Túlio Pessoa. Ainda segundo o Tribunal de Justiça, existem fortes indícios de que o presidente Marlon estaria “agindo para manipular provas, forjando ou eliminando documentos, manipulando testemunhas e até mesmo os colegas de vereança, prejudicando assim a instrução processual. Marlon Túlio Pessoa foi afastado da presidência da Câmara por 180 dias e teve indisponíveis bens no valor de R$ 1.252.920,00 (Hum milhão, duzentos e cinqüenta e dois mil, novecentos e vinte reais).                                                                                                                                                             


1 de dezembro de 2011

Guilherme Nasser é campeão em diárias

Com polpudos salários para trabalhar apenas um dia na semana e quatro vezes ao mês, vereadores da Câmara Municipal de João Monlevade não perdem tempo e nem dinheiro. Com direito a lanche, internet, secretária, telefone fixo, telefone móvel, verba de gabinete e vários outros penduricalhos, os “legítimos” representantes do povo são considerados os parlamentares mais bem remunerados da região, ficando atrás apenas dos vereadores de Itabira. Como se tudo isso não bastasse, os nobres edis aproveitando-se da Resolução número 411, de 30 de junho de 2005, também garimpam alguns trocados com a chamada “Diárias de Viagem”. Entre fevereiro e setembro desse ano, o contribuinte monlevadense desembolsou nada menos que R$ 1.840,00 para patrocinar viagens, alimentação e estadia dos parlamentares. Cada um dos 10 vereadores pode solicitar a verba quantas vezes desejar, não havendo limite para tal. Os valores variam de acordo com a distância que será percorrida pelo solicitante, sendo que, para a capital mineira e cidades do interior a diária é de R$ 160,00. Caso o parlamentar resolva esticar até outro estado do Brasil, o valor sobe para R$ 190,00. Depois da viagem, basta o beneficiado comprovar por meio de relatório, feito por ele mesmo, que esteve em “atividade parlamentar.” Muito fácil não??? Dentre os 10 vereadores, o campeão em diárias é o tucano Guilherme Nasser Silvério, que já fez uso da verba cinco vezes. No período, a Câmara já patrocinou 19 diárias.

30 de novembro de 2011

Farra do celular na Casa do Povo

Com salários de R$ 5,5 mil mensais e vários outros penduricalhos, os vereadores de João Monlevade continuam fazendo ligação via celular na conta do povo. Enquanto o cidadão comum sofre para manter o seu “pré-pago”, muitas vezes só recebendo ligações, os chamados “legítimos representantes do povo” estão de bem com a vida e com a Oi. Para se ter uma idéia, somente no mês de agosto a Câmara Municipal desembolsou a bagatela de R$ R$ 2.400,00 para custear as ligações dos nossos edis. Até o mês de novembro a operadora Oi já faturou R$ 18.500,00 com o serviço de telefonia móvel dos vereadores monlevadenses. De janeiro a abril desse ano, cada parlamentar tinha direito a uma cota de R$ 200,00 para fazer os seus contatos, pagos com o dinheiro do contribuinte. Em maio, o presidente pastor Carlinhos, PV, resolveu reajustar a cota em 50%, passando o benefício para R$ 300,00 mensais, valor infinitamente superior ao salário da maioria dos pais de família do município. Para o vereador Guilherme Nasser, PSDB, pasmem, “o vereador de João Monlevade é equilibrado e sabe utilizar verbas públicas de maneira racional em benefício da comunidade”. Zezinho Despachante foi ainda mais longe: “...todos os vereadores têm sido conscientes e responsáveis e a Câmara de Monlevade, (pasmem) serve de espelho para Minas e para o Brasil.” O mais curioso de tudo isso, é que as mordomias dos vereadores monlevadenses foram “reajustadas” de maneira absurda na gestão do presidente pastor Carlinhos, PV, que em 2009 chegou a encaminha um Projeto á Mesa Diretora sugerindo que o salário de vereador fosse de apenas um salário mínimo. Pelo visto, as coisas mudaram muito. Em breve vamos falar da “Farra das Diárias”, Aguarde!
                       Celular com dinheiro do povo


Você sabe quanto pagou para seu vereador usar o telefone celular na Câmara Municipal de João Monlevade? Sabe para onde foram feitas as ligações? Você sabe quanto gastou cada vereador? E as viagens patrocinadas com o seu dinheiro? Para onde eles foram? Já, já eu conto tudinho! Fique antenado que eu vou colocar a boca no trombone! Aguarde!!!

28 de novembro de 2011

A última florzinha do Cauê




Fernandinho Teté de Titi, popular Cara de Bunda de Anjo: a última florzinha do Cauê, inculta e bela

Fernando Martins, popular Fernandinho Teté de Titi. Mais conhecido por Carinha de Bunda de Anjo nas altas rodas da cidade. Ele é dono de uma delicadeza natural inigualável. Bunda de Anjo é delicado nos trejeitos, delicado na conversa e delicado no pensar. Raras moçoilas da cidade, hoje em dia, têm o privilégio de alcançar o grau de delicadeza de Teté de Titi. Eis aí, então, um exemplar de fragilidade rara, um muito belo espécime praticamente em extinção. O seu sorriso tímido e amarelo, normalmente enfeitando o canto dos lábios, esconde algumas tendências naturais, mas, contraditoriamente, escancara frustrações adimensionais. Essas tendências naturais só as antigas corriolas de “inocentes” folguedos podem revelar. E, nesse aspecto, existem coisas estarrecedoras para se contar. As frustrações marcantes originaram de duas adversidades na vida: um curso de medicina, que no fim foi dar no ofício de reles retratista, e o sucateamento humano e físico da TV Cultura de Itabira. Sim: Fernandinho Teté de Titi foi um violento tsunami que varreu a televisão de Itabira. Ele praticamente acabou com a emissora pública da cidade. Fernandinho Teté de Titi, na realidade, é o grande símbolo vivo do fracasso do governo Jackson Tavares. Mas, o ex-prefeito também tem uma grande responsabilidade em todo esse drama: afinal, o petista médico foi o principal responsável pelo aborto da monstruosidade administrativa chamada Fernandinho Bunda de Anjo. Ninguém jamais, em tempo algum, colocaria um péssimo retratista para cuidar de uma televisão pública. Principalmente Fernandinho Teté, que sempre teve imensas dificuldades até para manusear um simples aparelho de controle remoto.
 Um fato muito sério aconteceu há cerca de um ano: Fernandinho Teté de Titi sofreu um complexo tilt mental. Consequência: passou uma temporada na UTI de um hospital, em Belo Horizonte. A coisa ficou feia para o delicado. Por muito pouco, ele não engrossou as estatísticas do famoso cemitério do Premem. Bem que o velho Fernandão avisou: “pare com essa coisa de blog, meu filho. Pare de mexer com política, pare com essa fofocada. Se você não parar com isso tudo, vai acabar morrendo prematuramente”. Sábias palavras, cujo dono tem a voz da experiência. Esse leve “acidente” deixou bastante clara uma verdade: Fernandinho Teté não tem estrutura física, e nem psicológica, para levar um pequeno tranco retórico. É muito delicado para esse tipo de embate, pois se trata de um cidadão intelectualmente incapaz, politicamente analfabeto, profissionalmente incompetente e pessoalmente duvidoso. Porém, a despeito de conselhos paternos, essa peça bastante frágil insiste em participar do processo eleitoral do próximo ano. E aí está uma excelente dica para os apostadores de plantão: aposte tudo contra o candidato de Fernandinho Bunda de Anjo. O rapazinho é um contumaz pé frio, jamais conheceu o sabor de uma vitória eleitoral na vida.

PS: Recentemente Fernandinho Bunda de Anjo escreveu (ele consegue escrever, mesmo com enorme desconhecimento gramatical) que João Izael vai caminhar sozinho. Sorte do prefeito da cidade, que não precisa caminhar em companhia de pessoas como Fernandinho Teté. Jackson Tavares sempre caminhou com o retratista. Consequência: o petista Mergulhou num brejo político, de onde nunca mais conseguiu se safar.

27 de novembro de 2011

Contador da Corja

Primeiramente devo esclarecer que não tenho nada contra e nem a favor de quem faz parte ou vive misturado no meio da chamada “Corja”. Também devo esclarecer que a palavra “Corja” foi uma maneira carinhosa que o Padre Marcos, respeitadíssimo em João Monlevade e região, usou em sua pregação para identificar um grupo político que tentou se perpetuar no poder. Ainda bem que não conseguiu! Também não tenho nada contra o senhor “Delci”, até porque, não o conheço pessoalmente, não sei onde mora, o que faz e nem para que time torce. Sei apenas que ele foi um dos homens que carregava as chaves dos cofres do famigerado governo Carlos Moreira e hoje, dedica a maior parte de seu tempo calculando as dividas do governo Gustavo Prandini. Nada contra, acho até que essa atitude nos mostra a preocupação de um cidadão que foi preterido pelo povo nas últimas eleições, mas se preocupa com as finanças da prefeitura. Atitude louvável! O que muita gente anda questionando, inclusive eu, é o fato do “Contador da Corja” ser o único “monlevadense” capaz de fazer um raio X das finanças do governo. Até parece que não há outro contador no município a não ser ele. Desde o ano passado o nobre contador tem sido entrevistado em jornais e emissoras de rádio prá falar da dívida da prefeitura. Mas porque justamente ele? Será o mais capaz? O mais respeitado? O mais capacitado? O mais bonito? Ou tudo isso é apenas um jogo de marketing de algum “marqueteiro em final de carreira” tentando lançar um ilustre desconhecido na política monlevadense. Na última entrevista concedida pelo “Contador da Corja” ao “único jornal com selo de qualidade do país” foi dito que a dívida da Prefeitura de João Monlevade estaria em R$ 20 milhões. O que mais chamou a atenção não foi a matéria propriamente dita, mas a imensa foto do “Contador da Corja” e o seu currículo ao lado da referida matéria de uma página. Como já disse, nada contra! Só acho, que o Delci se deixou contaminar pela picada da mosca azul e acabou caindo nas mãos de “marqueteiro em final de carreira!” Alguém duvida? É só esperar prá ver!


23 de novembro de 2011

Fiscal do asfalto

Hoje pela manhã, bem cedo, fui acionado pelo celular por um dos milhares de “Barbosinhas” espalhados por João Monlevade e região. Como sempre, o informante queria relatar algo de “extraordinário” que estaria acontecendo na calada da noite ou mesmo em algum ponto da cidade. Depois de ouvir a “denúncia” me desloquei até o ponto indicado e, confesso, fiquei surpreso com a cena. Debaixo de chuva e amparados por um guarda-chuva velho, dois indivíduos coletava pequenos fragmentos de asfalto que havia sido colocado recentemente naquela via. O indivíduo de pequena estatura, cor clara e uma barriguinha saliente, além de medir a espessura da massa asfáltica, também fazia questão de fotografar e fazer anotações em um pedaço de papel. Seu ajudante, indivíduo magro e alto, de cor morena, era o responsável pelo armazenamento do material coletado. Fiquei alguns minutos, de longe, observando aquela cena curiosa. Algumas pessoas que passavam pelo local também demonstraram uma certa curiosidade, até porque, dificilmente algum funcionário da empresa contratada para a pavimentação asfáltica das ruas da cidade iriam medir, fiscalizar, fotografar e colher o material para uma futura análise debaixo de chuva. Certamente a secretaria Municipal de Obras também não faria o serviço naquela hora e com aquela condição climática.  Ao perceber um aglomerado de curiosos, os bacanas entraram numa caminhonete cinza, tipo pampa, e se mandaram, deixando todos, inclusive eu, com cara de babaca diante do mistério. Por volta das 10h, pelos microfones da rádio do deputado veio a explicação. Um repórter da emissora entrou no ar e começou a detonar as obras de asfaltamento que a prefeitura está realizando nas ruas da cidade. Dando a entender que conhece tudo sobre asfalto, o repórter garantiu que o material usado é de péssima qualidade e que as ruas que receberam o recapeamento já estão tomadas de buracos. Então tá explicado!!!


22 de novembro de 2011

De Malas Prontas

De acordo com informação “extra-oficial”, o assessor de Comunicação Social e homem forte do Governo Gustavo Prandini, PV, Emerson Duarte está de malas prontas para deixar a Prefeitura Municipal de João Monlevade. Apesar do sigilo absoluto quanto á saída do assessor, o fato parece já estar sacramentado. Emerson deixaria o governo no próximo dia 10 de dezembro para cuidar de assuntos pessoais. Nossa reportagem tentou falar com o assessor por volta das 11:30h, mas o mesmo não atendeu as ligações. Amigo pessoal do prefeito Gustavo Prandini, Duarte foi o principal articulador político na campanha eleitoral que elegeu o pevista, fato que provocou um verdadeiro terremoto na política local que ainda vivia sob o cabresto do ex-deputado Mauri Torres e sua “Corja”. Aguarde mais notícias!

21 de novembro de 2011

Lucien ameaça fechar Pediatria

Depois de ameaçar fechar o Pronto Socorro do Hospital Margarida, o provedor Lucien Marques Cosme (ao lado do prefeito Gustavo Prandini recbendo repasse da prefeitura) deixou a população monlevadense em pânico ao ameaçar o fechamento da pediatria daquele hospital para “urgência e emergência”. De acordo com Lucien Marques, os motivos seriam o atraso nos repasses da prefeitura e a falta de profissional no mercado. A ameaça foi feita na manhã dessa segunda-feira, 21, nos microfones da Rádio Cultura-Am. Ao mesmo tempo em que reclamava dos atrasos nos repasses da prefeitura, fato que estaria contribuindo para o fechamento da pediatria, Lucien também divulgava investimentos altíssimos na ampliação do Hospital Margarida. De acordo com o mesmo, o Margarida tem em caixa R$ 1,3 milhão para investir na ampliação de leitos na enfermaria. O provedor também garantiu mais R$ 2,5 milhão, através de um convênio com o governo do Estado, para a “hemodiálise”. Para muitos, é louvável os investimentos na estrutura física daquela Casa de Saúde, porém, a preocupação com o corpo clínico parece que vem sendo deixado em segundo plano por aquela direção. Várias mães que procuram aquele hospital em busca de um médico pediatra voltam para casa sem o atendimento para seus filhos. “Não tem pediatra, não tem ortopedista, não tem nada! Não adianta construir prédios se não tem médicos para atender”, reclama o vendedor Jorge Carlos de Souza, residente no Bairro Loanda. Para a desempregada Maria Lúcia Amorim Ferreira, do Nova Monlevade, a questão do Hospital Margarida é politicagem. “Tudo isso é politicagem! A prefeitura atrasa o repasse e o Hospital suspende o atendimento. Se o provedor fosse do grupo do prefeito, nada disso estaria acontecendo. O pior é que, quem paga a conta é sempre o povo”, arriscou.  

20 de novembro de 2011

Juízes e Desembargadores terão auxílio-alimentação

Cerca de 1,1 mil juízes e desembargadores de Minas Gerais vão ganhar um reforço no bolso a partir do próximo ano, caso seja aprovado o orçamento estadual para 2012 pela Assembléia Legislativa de Minas Gerais. O Tribunal de Justiça (TJ) de Minas incluiu entre os gastos do próximo ano R$ 5,2 milhões para pagamento de auxílio-alimentação para os magistrados da ativa. Isso significa dizer que cada juiz, com salário inicial de R$ 20.677,33, e desembargadores que ganham R$ 24.117,62, receberão cerca de R$ 352,00 mensais para ajudá-los na despesa com alimentação. O benefício está gerando grande polêmica, mas encontra apoio legal em resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que diz que juízes devem ter os mesmos benefícios que os membros do Ministério Público, entre eles, o reforço para a alimentação. A primeira reação partiu do Sindicato da Segunda Instância do Tribunal de Justiça de Minas (Sindjus), que considera a concessão do benefício ilegal. “O modelo de remuneração dos magistrados é subsídio, no qual não se permitem penduricalhos. Ou seja, o pagamento é uma parcela única, com ressalva apenas para parcelas de natureza indenizatória, segundo a Constituição”, diz Wagner Jesus Pereira, diretor jurídico do sindicato. Ele explica que os juízes têm a mesma forma de remuneração de deputados e governadores, que, em tese, também poderiam requerer o benefício. O presidente do Sindjus, Robert França, explica que o valor previsto para ser pago aos magistrados para alimentação é o mesmo já pago aos servidores da Justiça, conforme o Projeto de Lei do Orçamento Anual 2.521/11, na rubrica 3.3.90.46.0.10.7. “Se a moda pega, a sociedade terá de pagar vale-refeição até para a presidente da República”, conclui. Do outro lado da polêmica, o secretário-geral da Associação dos Magistrados do Brasil (AMB), desembargador Nelson Missias de Morais, comemorou a iniciativa do TJ de incluir no orçamento do estado o benefício para os magistrados. Ele explicou que o reforço de caixa é importante porque do total de seus vencimentos juízes e desembargadores têm um desconto de 52% com pagamento de previdência, Imposto de Renda e plano de saúde. “Argumentam que juízes e desembargadores têm salários entre R$ 20 mil e R$ 24 mil, mas não vêem que ficamos com menos de 50% desse valor”. Afirma. Nelson Missias lembrou ainda que para o desempenho da função são necessários ainda gastos altos com a formação jurídica, que não são considerados. Por fim, o secretário-geral disse que muitos magistrados, em razão do trabalho, não têm como deslocar até a casa para almoçar e, portanto, nada mais justo do que o vale-refeição. (Fonte: Estado de Minas)

18 de novembro de 2011

Pastor entra na Justiça contra Jesus crucificado

Levando ao pé da letra o ditado popular que diz que “sou brasileiro e não desisto nunca”, o presidente da Câmara de Vereadores de João Monlevade, pastor Carlinhos, PV, resolveu recorrer ao Tribunal de Justiça do Estado Minas Gerais para afastar de uma vez por todas a imagem do Cristo crucificado do plenário da Câmara Municipal. Tão logo foi empossado presidente, em janeiro deste ano, pastor Carlinhos provocou a ira da comunidade católica do município ao retirar o crucifixo da parede do plenário. A iniciativa do evangélico mobilizou toda a cúpula da igreja católica e seus fiéis que, em passeata até a câmara, exigiram que o crucifixo voltasse ao seu local de origem. Apesar dos apelos da comunidade, o presidente só voltou atrás em sua decisão após uma determinação da Justiça, “sugerindo” ao edil o retorno imediato do crucifixo. Inconformado com a determinação do juiz Evandro Cangussu, da comarca de João Monlevade, o pastor Carlinhos resolveu recorrer ao Tribunal de Justiça, em Belo Horizonte, através do advogado Zedequias de Almeida Pio, que também é pastor da Assembléia de Deus. Em seus argumentos o pastor Carlinhos sugere a “implantação, lada a lado, de símbolos de todas as demais religiões representadas em João Monlevade”. Para o pastor Carlinhos, eleito pelo voto dos monlevadenses, o crucifixo é um mero símbolo cultural e histórico, além de discriminatório.

17 de novembro de 2011

"Promessas não cumpridas"

Faça uma auto-análise e veja se você nunca mentiu, nunca prometeu, nunca furou uma fila, nunca comeu nada dentro de um supermercado, nunca foi infiel com a namorada, com a esposa ou com o marido. Reflita bastante e veja se você nunca tentou arrumar um jeitinho para resolver um problema seu num órgão público, nunca passou um cheque sem fundo, nunca se apossou de um bem público, nunca cobiçou a mulher do chefe, ou o marido do próximo. Nunca comeu nada escondido de sua mãe quando criança. Nunca vendeu gato por lebre.  Nunca tentou tirar proveito daquela situação. Se você se enquadra nesse perfil, você já pode exigir a sua santificação! Na verdade, apenas os políticos levam a fama de agir contrário a tudo isso citado acima e é cobrado ferozmente, pois é a classe cobrada diuturnamente e é a única que deve estar sempre atenta, principalmente com os opositores. É muito fácil atirar a sua pedra no telhado alheio, mesmo você praticando os significados da palavra corrupção. Queremos políticos honestos, que cumprem suas promessas? Claro que sim! E o que você faz para mudar essa realidade? Nada! O valor que damos ao famoso jeitinho brasileiro que, não custa lembrar, só virou instituição nacional porque nós lhes damos vida com as nossas atitudes. Os valores que almejamos como ideais, infelizmente, só existem no mundo das nossas idéias. Sabe qual o grande problema da humanidade? Somos nós mesmos!

11 de novembro de 2011

Chame o Márcio, ele é o Cara!

Noventa por cento dos jornalistas acham que são deuses. Dez por cento têm certeza disso! Se você, prefeito, deputado, governador ,vereador ou cidadão comum está num mato sem cachorro, não perca mais tempo, as eleições estão chegando e tempo é dinheiro, por isso, chame o Márcio, ele é o cara! Se os forasteiros estão chegando, chame o Márcio! Se a dívida aumentou, chame o Márcio! Se a ETE não saiu, chame o Márcio! Se a mudança de partido não deu certo, chame o Márcio! Se você está tendo problema com o cunhado que ganhou a licitação, chame o Márcio! Se os repasses continuam atrasados, chame o Márcio! Se estão processando a imprensa, chame o Márcio! Se o banco multou, chame o Márcio! Se o concurso virou escândalo, chame o Márcio! Se a creche está em péssima condição, chame o Márcio! Se as obras estão mal acabadas, chame o Márcio! Se a obra prometida não sai, chame o Márcio! Se o asfalto chegou onde não devia, chame o Márcio! Se não há transparência, chame o Márcio! Se os semáforos estão desligados, chame o Márcio! Se o vereador está sendo processado, chame o Márcio! Se o barro invadiu residências, chame o Márcio! Se os defuntos e funcionários do cemitério estão sendo perseguidos, chame o Márcio! Se as agentes estão sendo demitidas, chame o Márcio! Se a funcionária foi exonerada, chame o Márcio! Se a duplicação não sair, chame o Márcio! Se o conterrâneo for processado, chame o Márcio! Se a prefeitura for multada, chame o Márcio! Se a cozinha não funciona, chame o Márcio! Se o memorial está atrasado, chame o Márcio! Não se esqueça, mesmo de quarentona o Márcio resolve tudo. Ele é o cara!!!

10 de novembro de 2011

Falando abobrinha e plantando mandioca


Atolado até o pescoço, e com seus direitos políticos suspensos pela Justiça por “supostas” falcatruas contra o erário público, o ex-prefeito Carlos Ezequiel Moreira, PSDB, aguarda decisão do Supremo Tribunal Federal – STF, sobre a Lei Ficha Limpa, para saber se poderá ou não concorrer ás próximas eleições municipais. Enquanto aguarda a decisão, o tucano preenche seus dias falando abobrinha e plantando mandioca. Além de perder os seus direitos políticos por um período de cinco anos, Moreira também foi condenado pela Justiça a devolver a bagatela de R$ 3,9 milhões aos cofres públicos. De acordo com denúncias acatadas pela Justiça, o ex-prefeito teria usado dinheiro do povo para patrocinar uma festa de formatura para um parente. Como se não bastasse, Carlos Moreira também usou dinheiro público para patrocinar festa de confraternização. O mais grave porém, de acordo com a Justiça, foi o fato do ex-prefeito de João Monlevade “barganhar” um imóvel público, no centro da cidade, com o dono de um jornal local, em troca de marketing  político. Pelo visto, a produção de mandioca do Moreira já está comprometida com ele e com a “Corja”, (palavra do padre), amém!


9 de novembro de 2011

Direito de Resposta do Lucien Marques Cosme


Diante de matéria publicada neste blog com data de 1 de novembro de 2011 intitulada "Provedor do Margarida foi ameaçado de prisão”, informo que eu, Lucien Marques Cosme, provedor do Hospital Margarida, não fui notificado e nem recebi nenhuma ameaça de prisão caso houvesse o fechamento do pronto Socorro do Hospital. Esclareço também que a decisão de fechar o P.S. não partiu de nenhum “correligionário político” como cita a matéria. As decisões do Hospital são tomadas internamente. A publicação utilizou de inverdades e o autor do blog sequer me procurou para que eu prestasse qualquer esclarecimento sobre o fato, prejudicando assim minha imagem perante a sociedade. A decisão de fechar o Pronto Socorro surgiu após a recusa de um plantonista cirurgião, em participar da escala de plantão da qual estava escalado há meses. Recusa essa anunciada apenas na sexta-feira às 16h. Informo ainda que o comunicado a imprensa foi feito na sexta-feira e em nenhuma hipótese a alegação foi a falta de repasses de verbas da Prefeitura de Monlevade ao Hospital. Ainda na sexta, todos os esforços para a substituição do profissional foram feitos, porém sem êxito. No sábado pela manhã, os médicos Dr. Sidnei e Dr. Gustavo assumiram o plantão, que não era deles, o que possibilitou o não fechamento do Pronto Socorro. Destaco ainda que não faço do meu trabalho no Hospital Margarida trampolim político, uma vez que já citei diversas vezes não ter interesse em candidatura para qualquer cargo público, apesar de estar em meu total direito de votar e ser votado, sendo um cidadão quites perante a Justiça Eleitoral. Inclusive já recusei candidatura ao cargo de prefeito na última eleição, conforme é do conhecimento de toda a população.
Lucien Marques Cosme
Provedor do Hospital Margarida de João Monlevade

Na pele e no bolso

Depois de passar décadas e décadas mandando e desmandando na política e na imprensa monlevadense, parece que o reinado do jornal “A Notícia” está mesmo com os dias contados. Querendo ou não, a qualidade e também o conteúdo do “único jornal com selo de qualidade do país” tem deixado muito a desejar. O conteúdo então, nem se fala, está ladeira abaixo. Tão logo resolveu virar sua metralhadora giratória em direção ao governo e á família do prefeito Gustavo Prandini, PV, uma verdadeira maldição parece ter atingido em cheio o referido jornal. E não é só isso, os ataques baixos e covardes contra o atual mandatário fizeram com que o grupo “prandinista” despertasse de um sono profundo. Por ironia do destino Gustavo, Prandini e sua equipe de trabalho resolveram pagar na mesma moeda. Isso mesmo, de tanto apanhar a “molecada” também resolveu bater. Só que de uma forma mais racional e democrática. Prandini e seus assessores têm buscado na Justiça a reparação dos danos sofridos. E parece que a tática deu certo. Tanto é, que na última edição do semanário, seu fundador soltou um comunicado lamentando e quase implorando “clemência” ao Chefe do Executivo Municipal. Na certa, deve estar doendo na pele e no bolso! No tal comunicado o dono do “A Notícia”, chega a usar os termos “covarde” e “autoritário” para definir a postura do governo. Também afirma que a atual administração da Prefeitura de João Monlevade estaria tentando inviabilizar o trabalho da equipe jornalista com ações judiciais. Ora, ora, ora! Quem foi que instalou no município uma verdadeira fábrica de danos morais? Pelo que eu saiba, foi o “A Notícia” que primeiro trilhou os caminhos do Fórum Milton Campos para denunciar seus opositores. Dar uma de vítima nessa altura do campeonato é querer menosprezar a inteligência do monlevadense! É querer fazer o povo de otário. Acho que o atual governo Municipal ainda está sendo muito benevolente. Como bom samaritano, confesso que chego a sentir pena de alguém que até a bem pouco tempo era considerado por todos um “mestre”, um “intocável!” Felizmente as coisas mudaram, e para melhor!

7 de novembro de 2011

Onde está o dinheiro

Desde o ano passado o provedor do Hospital Margarida, Lucien Marques, pré-candidato a prefeito pelo PSDB (partido do Mauri Torres e do Carlos Moreira) tem usado constantemente os veículos de comunicação da “Corja” (palavra do padre) para denunciar os supostos atrasos nos repasses feitos pela Prefeitura de João Monlevade, fato que teria levado o provedor a ameaçar o fechamento do pronto socorro. Lucien também deixa claro que a crise financeira daquela Casa de Saúde se deve exclusivamente ao atraso nos repasses da prefeitura, que hoje, é de R$ 260 mil. Apesar de toda ladainha protagonizada pelo provedor, pouco gente, ou quase ninguém, tem acesso ao livro de caixa daquele hospital. Sabe-se apenas que a prefeitura repassa R$ 260 mil mensalmente. Mas como é usado esse dinheiro? Qual a outra fonte de renda do Hospital Margarida? Quanto é o repasse do SUS? E dos planos de saúde? Quantos médicos prestam serviços ao Hospital Margarida? Eles são remunerados pelo hospital? Quantos funcionários com carteira assinada trabalham naquela Casa de Saúde. Quanto custa a folha de pagamento desses funcionários? De quanto é a dívida daquele hospital com fornecedores. Qual é o salário do provedor Lucien Marques? Recentemente Lucien Marques “inaugurou” um CTI e uma nova ala naquele hospital. Qual foi o custo da obra? Sabe-se apenas que foram usados R$ 100 mil, dinheiro do povo, para ampliar o seu estacionamento. Apenas isso! Por incrível que pareça, nem a Câmara de Vereadores têm acesso ao livro de caixa do Hospital Margarida. Na reunião da Câmara na semana passada o vereador petista Belmar Diniz sugeriu que o legislativo exerça algum tipo de fiscalização naquele hospital. De acordo com o vereador, cerca de R$ 3, 3 milhões por ano são investidos pelo Poder Público naquele hospital. “Onde está sendo usado esse dinheiro”, questionou o vereador que prometeu uma fiscalização mais rigorosa nas contas comandadas pelo Lucien Marques.  


5 de novembro de 2011

Moreira recorre á Mãe de Santo

Na próxima quarta-feira, 9,  o Supremo Tribunal Federal – STF, definirá a validade da Lei Ficha Limpa. A expectativa é que pelo menos 10 ministros da Corte considerem a Lei Constitucional.. Caso isso aconteça, a norma poderia ser aplicada integralmente a partir das eleições municipais de 2012. A medida deve enxugar o número de concorrentes nas urnas, já que ficarão proibidas, por exemplo, candidaturas de condenados por colegiado (decisão de mais de um juiz) e de quem já renunciou a cargo público para escapar de processo de cassação. Outro problema seria o tempo de inelegibilidade previsto para os condenados por improbidade administrativa. Na Lei Ficha Limpa, a perda dos direitos políticos nesses casos é contada a partir da condenação, ainda que seja possível recorrer da sentença. Na Lei de Improbidade Administrativa, a inelegibilidade ocorre depois do julgamento final, quando não há mais possibilidade de recurso. “Se alguém for enquadrado nas duas leis, pode ficar inelegível por mais de 30 anos”, afirmou o ministro Gilmar Mendes. Sem o apoio do ex-deputado Mauri Torres, PSDB, e sem respaldo junto á sociedade mais esclarecida, não restou outra alternativa ao ex-prefeito Carlos Moreira, PSDB, a não ser retornar ao ninho de uma antiga “Mãe de Santo”. Sendo condenado na maioria dos processos movidos contra sua pessoa, Moreira teria recebido um alerta da tal espiritualista: “você vai rolar na lama até cair nos meus braços”, teria dito a tal “Mãe de Santo”. Tão logo foi condenado a devolver aos cofres públicos a bagatela de R$ 3,9 milhões, Moreira enviou seu porta-voz até a “Mãe de Santo” para marcar um horário com a mesma. O ex-prefeito também foi alertado a “ficar de olho bem aberto com pessoas que estão á sua volta, inclusive, profissionais da imprensa. Embora ainda tenha esperança de reverter a situação, o ex-prefeito já admite colocar em prática o plano B para as próximas eleições municipais.